Copirraite

Archive for the ‘DIY’ Category

3837574876_cf16b44e43_b

O Wall Street Journal está ligado na possível revolução causada pelo renascimento do movimento DIY e do nascimento do open hardware.

Aos poucos estes conceitos saem do underground e chegando ao mainstreem, gerando milhões de dólares e um enorme impacto na vida das pessoas.

Como construir negócios baseados nestas novas ondas?

(Via WSJ via Make)
(Imagem Lasern)

Foi pego de surpresa pelo blackout em novembro/2009?

Aproveite a energia elétrica gratuita que a Telefônica não quer que você descubra! 🙂

Bom, na verdade no caso de um blackout total na cidade é provável que não funcione… Mais info aqui!

Nanosilver

Já falei aqui sobre impressoras de “coisas” e discuti brevemente sobre o impacto que elas poderão causar em um futuro próximo.

Um dos atuais problemas com estas impressoras é que grande parte delas consegue utilizar apenas um tipo de material. Conseqüência: resultados práticos limitados.

Mas e se pudéssemos imprimir circuitos? Seria um enorme salto rumo à “impressora de coisas”. Você entra em um site, faz o download de um MP3 player e imprime o seu iBob em casa. Loucura? Nem tanto.

A Xerox deu um importante passo desenvolvendo uma tinta a base de prata capaz de funcionar a temperatura ambiente usando uma simples impressora jato de tinta. Tudo bem que essa tecnologia não vai migrar tão cedo assim para a sua casa, mas é um sinal do que vem por aí.

O MIT está indo ainda mais longe (como de costume)… estão desenvolvendo materiais orgânicos capazes de conduzir energia (tanto cargas negativas quanto positivas ao mesmo tempo) de forma muito eficiente. Esses polímeros também podem ser utilizados para impressão.

Tentativas também estão sendo feitas por amadores, como no caso do RepRap:

E para quem não quer esperar, existem formas mais baratas e menos automatizadas de imprimir seu próprio circuito em casa.

(Via MIT Technology Review)
(Via Make)

Quem já assistiu “How it’s Made” ou programas do gênero no Discovery Channel já deve ter reparado que algumas indústrias usam o efeito estroboscópico para acompanhar linhas de produção que operam em alta velocidade.

O princípio é muito simples e eu decidi fazer a minha própria luz estroboscópica com Arduino.

O diagrama para montagem é o seguinte:
Stroboscopic Time Machine _ Schematics(usei o Fritzing para construir o diagrama)

Usei dois potenciômetros, mas seria possível montar apenas com um (alterando um pouco o código abaixo). Usando dois eu consigo controlar não só a freqüência do pulso de luz mas também a duração de cada pulso. Dependendo da velocidade do objeto em movimento é preciso acertar estes dois valores. Também usei 4 LEDs em série, ao invés de um como mostro no diagrama.

O código que escrevi segue abaixo:

/*
Stroboscopic Time Machine

Controls a blinking LED using two potentiometers (one for frequency
and another for the ON duration of the light).

It can be used to see rapid movement in slow motion.

The circuit:
* LED connected from digital pin 13 to ground.
* Potentiometer 1: left pin to VCC, right pin to ground and middle
pin to Analog 4.
* Potentiometer 2: left pin to VCC, right pin to ground and middle
pin to Analog 5.

Created 5 October 2009
By Gian Carlo Martinelli

https://copirraite.wordpress.com/2009/10/08/maquinadotempo/

*/

int ledPin = 13; //defines the LED pin
int freqPin = 4; //defines the frequency potentiometer pin
int waitPin = 5; //defines the ON duration potentiometer pin
int freq = 0; //defines variable
int wait = 0; //defines variable

void setup(){ //defines the pin modes and prepares serial for bug tracking
pinMode(ledPin, OUTPUT);
pinMode(freqPin, INPUT);
pinMode(waitPin, INPUT);
// Serial.begin(9600); uncomment this if you wish to use bug tracking via terminal
}

void loop(){
freq = analogRead(freqPin); //reads Frequency potentiometer
wait = analogRead(waitPin); //reads On Duration potentiometer
// Serial.print("Freq: "); uncomment the next 5 lines for bug tracking
// Serial.print(freq/10);
// Serial.print("\t");
// Serial.print("Wait: ");
// Serial.println(wait/10);
digitalWrite(ledPin, HIGH); //turns led ON
delay(wait/10); //leaves the LED on for a determined duration
digitalWrite(ledPin, LOW); //turn LED off
delay(freq/10); //wait before turning LED on again (frequency)
}

Como não tenho uma câmera digital disponível não tenho como demonstrar o meu em funcionamento, mas o efeito é basicamente como o visto nos vídeos abaixo:

Quando tiver tempo (muito tempo) pretendo montar uma projeto que não precise do Arduino para operar. Usando apenas componentes eletrônicos… imagino que não seja muito complicado. Alguém disposto a ajudar? 🙂

DeMuletaAQuadcoptero

De muleta à quadcopter, esse é o estágio do meu projeto atual (que vai demorar bastante para terminar e que já começou a um mês mais ou menos).

Estou me baseando no projeto do AeroQuad que usa um Arduino como plataforma de controle. Isso tem me ensinado ainda mais sobre programação no Arduino e sobre alguns sensores diferentes como acelerômetros e giroscópios.

Depois que ele finalmente voar, espero colocar uma câmera HD para fazer tomadas interessantes…

The best of my MikroKopter from Bandion on Vimeo.

…e transmitir imagens ao vivo, talvez até com piloto automático.

O objetivo final é voar pela Av. Paulista à noite e rir, no final de semana, com os relatos de OVNI no Fantástico.

Steady Cam

Posted on: julho 17, 2009

Acho que foi em 2008 que eu conheci, por acaso, um projeto de steady cam do Johnny Chung Lee. Na verdade caí no site dele por conta dos seus projetos com o WiiMote (controle do Nintendo Wii).

O esquema do Johnny Lee custa 14 dólares, ao contrário dos mais de US$2.000 de uma steady cam profissional. Ele colocou os planos de construção no seu site, que já foi visto por mais de um milhão de pessoas em pouco tempo. Ele também vende um kit pela sua empresa, Little Great Ideas, por US$39,95 para quem tem preguiça de construir a sua própria (um exemplo de como Open Hardware pode se tornar um negócio).

Hoje vi um novo projeto de steadycam no Gizmodo. Esta é um pouco mais complexa, usando um gimbal ao invés de contrapesos. O resultado me pareceu melhor.

Caso queira construir a sua, os planos do Johnny Lee estão aqui e os que saíram no Gizmodo estão aqui.

Quero ver o que cineastas amadores fazem com mais esta ferramenta barata nas mãos. O resultados dos hacks é umas das coisas do DIY que mais me chamam a atenção. Cada vez mais os consumidores têm as ferramentas necessárias para produzir aquilo que um dia apenas consumiam, como filmes com alta qualidade, softwares, hardware, etc.

ABY box

Posted on: julho 13, 2009

Foto 0019

A pedido do meu amigo @pbcruzneto eu tentei construir um pedal para guitarras. Foi uma boa troca. Ele pagou pelos componentes e eu aprendi muito.

A ABY box serve para que ele consiga ligar a sua guitarra em dois amplificadores, podendo escolher de maneira fácil qual deles usar (ou os dois ao mesmo tempo).

Diria que apanhei bastante por alguns motivos:

  1. Ainda estou aprendendo a soldar;
  2. Não conseguia entender direito o guia que nós tínhamos;
  3. Compramos peças que não eram idênticas aos do guia original.

Foi um excelente aprendizado para o final de semana, e que rendeu uma inédita visita à Santa Ifigênia.

Sobre a Santa Ifigênia, sinceramente espero não ter que voltar lá. Rodamos aquele lugar procurando os componentes quando tudo estava mais fácil no http://www.soldafria.com.br. Sem fila, sem multidão. O frete de R$11,20 cobre com sobre o que eu gastaria com metrô e o desgaste de procurar as peças.

A partir deste projeto eu também fiz o meu primeiro Instructable (que acredito ser melhor do que o guia original que usamos).


Atualizações Twitter